Plataforma de coalizão, de pessoas e organizações, dedicada à geração e disseminação de conhecimento e à construção de relacionamentos para alcance do desenvolvimento sustentável

Iniciativa, baseada na cocriação, para pensar e fazer o uso equilibrado dos bens naturais comuns

Pilares estruturantes da iniciativa

Conhecimento, Relacionamento e Atitude

 

Dimensões de atuação

Informar, Disseminar, Empoderar e Agir

sobre a iniciativa

Think tanks são usinas de conhecimento, centrais ou reservatórios de ideias e outras designações, conduzidos por pessoas e organizações sob diferentes regimes jurídicos, com ou sem fins lucrativos. Atuam no campo dos grupos de interesse, produzindo e difundindo conhecimento sobre assuntos estratégicos, com o objetivo de influenciar transformações sociais, políticas, econômicas, científicas ou tecnológicas.

O Think&doTank Sustentabilidade do Instituto Jatobás é um Celeiro de Conhecimento dedicado à geração e disseminação de conhecimento, e à construção de relacionamentos, para o desenvolvimento sustentável de pessoas e organizações.

Foi concebido para funcionar como plataforma multilateral, formada por coalizão de múltiplas partes interessadas e motivado pela cocriação e inteligência coletiva.

Tem como proposta pensar além do presente ou estágio de determinado conhecimento e atuar de modo independente e apartidário.

O Instituto Jatobás, criador da iniciativa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, cuja missão é influir para a ampliação da consciência e oferecer conhecimento para a construção de um caminho coletivo solidário e sustentável. Iniciou sua atuação no Município de Pardinho, no estado de São Paulo, com a criação dos modelos “Ecopolo de Desenvolvimento Sustentável” (urbano, rural e de áreas naturais) e de "Ocupação sustentável do espaço".

linha de base e macro temas

LINHA DE BASE
Pensar e fazer o equilíbrio no uso privado dos bens naturais comuns é o lema direcionador para ideias e protagonismo pautados pela iniciativa, a fim de que pessoas e organizações possam ter acesso aos recursos da natureza, por tempo indeterminado.

Por que "equilíbrio no uso privado dos bens naturais comuns"?
A substituição de círculo vicioso (extração-produção-consumo-lixo), por outro virtuoso (empréstimo-produção-serviço-devolução) é atitude fundamental para que as pessoas pensem em excelência no desempenho das organizações e na mudança do modelo mental prevalecente, de que dinheiro (leia-se débito e dívida) é substituto para vida. Por isso, aqui está a reflexão essencial.
- Preservar a capacidade de carga é o mesmo que permitir que a Terra suportará as populações que habitam determinado espaço, especialmente os espaços urbanos.
- Manter a qualidade da área bioprodutiva é favorecer a conversão de despejos ou lixo em materiais reaproveitáveis.
- Evitar o déficit de bens naturais renováveis é garantir a disponibilidade recursos para produção e consumo de bens e serviços industrializados ou consumidos in natura para a geração do presente e futuro.
- Prevenir externalidades econômicas e sociais negativas consiste em evitar custos não autorizados pela sociedade humana, os quais são o retrato mais fiel do modelo econômico que pensa, prioritariamente, em crescimento (aumento) e mais crescimento(aumento).
- Construir a rota para nova economia responde ao apelo de divergentes, críticos e defensores de outras teorias econômicas como: economia ecológica, economia de estado estável, economia verde, economia azul e economia biofisicogeoquímica.

MACRO TEMAS OU DIRECIONADORES
Os critérios e processos para definição de temas, tópicos, aspectos ou problemas no Think&doTank Sustentabilidade levam em conta uma reflexão básica: para onde queremos ir? E, por isso, são merecedores de atenção, pela relevância dos impactos econômicos, ambientais e sociais positivos e negativos, três macro temas fundamentais:
Limites das operações do planeta: mudanças climáticas (GEE Gases de Efeito Estufa); biodiversidade; ciclos de nitrogênio e fósforo (alimentos); depleção da camada de ozônio; concentração de aerossóis na atmosfera; acidificação dos oceanos; uso de água doce; mudança no uso da terra e poluição química.
Espaço justo e seguro para a humanidade: energia; água; alimentos e segurança alimentar; saúde; educação; habitação; segurança pessoal; cidades como fator vital para sustentabilidade ; estabilidade populacional; distribuição justa de riquezas e bem-estar.
Economia natural ou ecossociocêntrica: limites dos ecossistemas (capacidade de carga e taxa de bioconversão de despejos antropocêntricos) como determinantes de produção e consumo de bens e serviços; resiliência, responsabilidade, respeito e reverência aos limites operacionais do planeta e ao espaço justo e seguro para a humanidade.

nossa identidade

MISSÃO: Gerar e legitimar o conhecimento e promover a evolução em Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável para pessoas e organizações, valorizando o equilíbrio no uso dos recursos econômicos, ambientais e sociais, a fim de preservar a capacidade de suporte da terra, a equidade e justiça sociais.

VISÃO: Ser reconhecida como iniciativa de escolha para a transformação de conhecimento em ações práticas de Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável, por meio do conhecimento, do diálogo qualificado, de práticas, modelos e ferramentas envolvendo os setores público, privado e a sociedade civil.

VALORES: Pensar e fazer o certo e o melhor para a Sustentabilidade e o Desenvolvimento Sustentável, com excelência, transparência, integridade e ética humano-natural; com criatividade, inovação e independência política e econômica.

público alvo e objetivos

PUBLICO ALVO
Os benefícios esperados são dedicados às pessoas e organizações. Para isso, contamos com pessoas de diferentes segmentos, atributos intelectuais e experiências práticas:
- dispostas a mudar modelos mentais, indo além dos atuais limites espaciais de atuação e de horizonte do tempo;
- crentes da necessidade e importância de se lidar com a integração e visão por inteiro de questões econômicas, ambientais e sociais;
- e que praticam a pluralidade, independência, liberdade e autonomia, sem comprometimento político e partidário.

OBJETIVOS
Técnico-econômicos
Produzir conteúdo em temas relevantes relacionados à linha de base, macro temas e outras diretrizes, a fim de:
- influenciar o avanço da agenda política (policy) nas aplicações de conhecimento e tecnologias para SusDS, das pessoas e suas organizações;
- aprimorar o planejamento estratégico e operacional dos agentes-chave identificados, com destaque para o uso de ciência, desenvolvimento tecnológico, atividades econômicas e sociais e da perspectiva integrada e sistêmica da gestão para a sustentabilidade como evolução equilibrada dos interesses privados e públicos;
- contribuir para a comunicação dos setores público e privado com as partes interessadas;
- criar e dinamizar redes (networking) de relacionamento para o avanço sustentável local, nas áreas geográficas subnacionais do Brasil e sua integração em nível mundial.
Sociais
Desenvolver conhecimentos e ações que contribuam para mudança de modelos, padrões e condutas sociais na direção da equidade e inclusão sociais, derivados ou resultantes de melhores práticas das organizações focadas na integração de objetivos econômicos, ambientais e sociais.

plataforma multilateral

A plataforma multilateral é uma rede física, e também virtual, para a coalizão de pessoas: parceiros, colaboradores, apoiadores, patrocinadores, financiadores, usuários, membros da rede, beneficiários – pessoas, organizações sociais, empresas, governos e o Planeta.

DIRECIONADORES DA INICIATIVA

POLÍTICOS (policy)

• Construção de lugar seguro e justo
para pessoas e organizações
• Respeito à capacidade de carga da Terra
• Preservação das condições funcionais
críticas do Planeta: biodiversidade,
ciclos de nitrogênio e fósforo, depleção
da camada de ozônio, acidificação dos
oceanos, consumo de água doce, ocupação
e mudança do uso da terra.

ESTRATÉGICOS

• Equilíbrio social, econômico e ambiental
• Visão de futuro comum
• Inteligência coletiva e cocriação
• Articulação de negócios e sociedade
• Conhecimento compartilhado
• Nova economia: da Verde e Ecológica para a de Estado estável e sustentável
• Inovação e tecnologias sustentáveis
• Educação e cultura de sustentabilidade